Vai viajar no feriado? Saiba que cuidados tomar para garantir sua segurança nas estradas

Vai viajar no feriado? Saiba que cuidados tomar para garantir sua segurança nas estradas

Em feriados prolongados, o fluxo de veículos nas rodovias brasileiras aumenta consideravelmente. Por isso, é preciso que todos os motoristas – tanto novatos quanto os mais experientes – redobrem os cuidados e a concentração para garantir uma viagem segura e sem surpresas. Neste próximo feriado, a movimentação será ainda mais intensa por conta do feriado prolongado entre os dias 15 de novembro, Proclamação da República, e 20 de novembro, Dia da Consciência Negra.

Para cair na estrada com segurança, reunimos oito cuidados que você deve tomar:

1) Faça uma revisão prévia do veículo

Reponha a água do radiador e do para-brisa, verifique o óleo e calibre os pneus, incluindo o estepe. Uma boa medida é levar o carro a um mecânico de confiança alguns dias antes da viagem para verificar se o carro está em perfeitas condições. Cheque também se todos os equipamentos de segurança estão em dia: macaco, estepe, setas, luz de freio, faróis, para-brisa e documentações.

2) Verifique se as condições climáticas estão favoráveis

Dirigir com a luz do sol é mais indicado e seguro do que viajar durante a noite. Por isso, prefira sair pela manhã, aproveitando a claridade, após uma boa noite de sono. Além disso, cheque a meteorologia para assegurar que a viagem será feita com tempo bom. Se estiver chovendo, reduza a velocidade, aumente a distância dos veículos à frente, acenda o farol baixo, acione o limpador de para-brisas e o desembaçador. Em caso de neblina, mantenha os faróis acesos, abra um pouco os vidros e evite realizar ultrapassagens.

3) Em viagens longas, faça paradas periódicas para descansar

Evite fazer longos percursos sem paradas para descanso. Programe-se para realizar pausas a cada duas ou três horas de estrada.

4) Respeite os limites de velocidade e a legislação

Na hora de viajar, não ter pressa é primordial. Respeite as leis de trânsito para evitar acidentes ou multas. Lembre-se de manter sempre uma boa distância do carro à frente e, se precisar usar o acostamento, sinalize a saída e só depois reduza a velocidade. Se for necessário parar no acostamento, providencie a sinalização com triângulo e pisca-alerta.

5) Tome cuidado nas ultrapassagens

Mesmo que você seja um motorista experiente, evite arriscar-se em ultrapassagens. Lembre-se que as ultrapassagens devem ser feitas sempre pela esquerda, e nunca pela direita ou pelo acostamento.

6) Mantenha os vidros completamente abertos ou fechados

Quando se é ultrapassado por um veículo grande e pesado, a direção do carro pode se desestabilizar. Para evitar a perda de controle, deixe os vidros totalmente abertos ou fechados e reduza a velocidade. Se o ar entra por uma janela, mas não consegue sair pela outra por estar fechada, pode haver um desequilíbrio maior.

7) Estude o percurso a ser feito previamente

Um bom planejamento pode diminuir o risco de acidentes. Por isso, planejar a rota pode trazer mais tranquilidade durante o percurso. Verifique qual será a rota de viagem e esteja preparado para trechos em estrada de terra ou regiões com alta probabilidade de congestionamentos, por exemplo.

8) Tenha em mãos o número da seguradora e garanta um celular carregado

Mesmo com todos os cuidados, imprevistos podem ainda assim ocorrer. Nesses casos, assegure-se de ter o número de telefone da empresa seguradora do seu veículo e também um celular com bateria, caso precise acioná-la.

Leia Mais

Por trás de uma boa obra há um bom projeto: o que são projetos multidisciplinares

Para que um projeto seja concluído com sucesso, é imprescindível que todos os profissionais envolvidos estejam alinhados a respeito de seus papeis para garantir harmonia e equilíbrio em todas as etapas de desenvolvimento de um empreendimento. Como fazer com que áreas específicas se comuniquem e atuem de forma integrada para atender às demandas do cliente? O DynaBlog aborda hoje a definição de projeto de engenharia multidisciplinar, ponto chave para assegurar a viabilidade e qualidade de qualquer obra de engenharia viária.

Uma equipe multidisciplinar de trabalho envolve, além de uma equipe de engenheiros, arquitetos, planejadores, agrimensores, consultores de qualidade do ar e poluição sonora, entre outros. Cada uma dessas especialidades desempenha funções estratégias dentro de um projeto. Essa grande rede é essencial, uma vez que a construção de uma via interfere diretamente no tráfego de toda uma região, e pode impactar o movimento de pedestres, a funcionalidade do transporte público e, de modo geral, a maneira com que as pessoas se locomovem naquela região.

Por essa razão, contar com profissionais experientes em cada uma dessas muitas áreas é imprescindível. Nisso reside a essência de um projeto multidisciplinar de engenharia. Com a reunião dos dados coletados pelos diferentes profissionais assegura-se que qualquer estudo, decisão ou etapa do projeto ocorra sem interferências no resultado final do empreendimento. Uma boa operação reduz potencialmente os custos da obra e promove ainda mais segurança aos usuários.

Além de um time experiente, é importante que os membros trabalhem de maneira integrada. Uma estratégia aplicada pela Dynatest para garantir essa sinergia consiste no Building Information Modeling (BIM), ou Modelo de Construção da Informação, um novo conceito para projetos nas áreas de edifícios, infraestrutura, indústria e serviços. Essa metodologia permite incorporar dados obtidos por diversas disciplinas em um modelo de construção virtual, para que se possa acompanhar todo o processo executivo da obra, além de reduzir riscos e os custos totais do projeto.

A Dynatest atua em parceria com a Coordenação de Planejamento e Programação de Investimentos (CGPLAN) e o setor de Geotecnologias Aplicadas em estudos para estruturação e construção de uma metodologia operacional para implantação do BIM durante as fases iniciais de um empreendimento rodoviário.

Quer saber mais? Fale conosco: http://dynatest.com.br/contato

 

Leia Mais

Malha ferroviária: um caminho para a engenharia consultiva

O DynaBlog já trouxe diversas abordagens sobre a atuação da Dynatest e do setor de engenharia consultiva para a implementação de empreendimentos rodoviários. No entanto, a empresa abarca também a infraestrutura relacionada a outros modais de transporte, como é o caso das ferrovias. O post de hoje traz um panorama do sistema ferroviário brasileiro e explica como a engenharia consultiva pode atuar nesse setor.

Atualmente, as ferrovias no Brasil somam mais de 30 mil quilômetros de extensão e representam 15% da estrutura de transportes no País. No ano passado, o transporte de cargas por ferrovias brasileiras foi 6,9% maior que em 2016, de acordo com a Agência Nacional de Transporte Terrestre (ANTT). Foram transportados, em 2017, 538,8 milhões de toneladas úteis, 35 milhões a mais que no ano anterior e recorde nos últimos 12 anos.

Um pouco de História

Essa estrutura começou a ser instaurada por aqui a partir de capitais privados e estrangeiros – principalmente ingleses – com o objetivo de levar a produção agrícola e mineral do interior para os centros urbanos. Representou, por exemplo, o principal meio de escoamento da produção de café entre 1870 e 1930.

Efetivamente, a primeira ferrovia do Brasil foi inaugurada em 30 de abril de 1854, com 14,5 quilômetros de extensão. Intitulada Estrada de Ferro Mauá, o trecho ligava o Porto de Mauá, na Baía de Guanabara, a Raiz da Serra, na direção de Petrópolis. Já no período republicano, a Estrada de Ferro Central do Brasil, com quase 50 quilômetros de extensão, representou um dos principais eixos de desenvolvimento do país, por conectar o Rio de Janeiro a São Paulo, em 1877.

Na República Velha, a expansão foi tanta que a malha ferroviária alcançou 29 mil quilômetros, prioritariamente no estado de São Paulo. A desaceleração veio a partir do primeiro governo de Getúlio Vargas, quando os investimentos no setor dos transportes priorizaram o modal rodoviário. Nos anos 50, durante o governo Juscelino Kubitschek, esse processo de crescimento das rodovias foi intensificado.

Mas onde entra a engenharia consultiva?

O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) estabelece normas e procedimentos para Estudos de Viabilidade de Ferrovias, de acordo com dois escopos. O primeiro diz respeito à construção de novas ferrovias, adequação e duplicação de linhas existentes, enquanto o segundo refere-se à solução de questões urbanas envolvendo a operação de ferrovias.

Tratam-se de diretrizes para a elaboração de Estudos de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (EVTEA), um dos serviços oferecidos pela Dynatest tanto para empreendimentos rodoviários como ferroviários. O EVTEA consiste em um estudo amplo que identifica as maneiras mais viáveis para executar uma determinada obra. Essa análise compreende uma série de estudos prévios ao projeto executivo, e reúne informações que permitem avaliar os impactos e benefícios sociais, econômicos e ambientais do empreendimento.

Fazem parte do EVTEA a coleta de dados de campo, estudos de tráfego, estudos ambientais, alternativas de anteprojeto, análise de quantitativos e custos e análise socioeconômica do projeto.

Leia Mais

Conheça as 10 maiores rodovias do Brasil e suas peculiaridades

A malha rodoviária brasileira é a quarta maior do planeta – ficando atrás apenas dos Estados Unidos, Índia e China. Não é por acaso que as estradas são responsáveis pela movimentação de mais de 60% das mercadorias e de mais de 90% dos passageiros, de acordo com o Anuário CNT do Transporte 2018, produzido pela Confederação Nacional do Transporte (CNT).

No post de hoje, saiba quais são as dez maiores rodovias nacionais e conheça algumas curiosidades sobre cada uma delas:

  1. BR-116

É a maior rodovia totalmente pavimentada do Brasil e corta o país de Norte a Sul. Com 4.660 km, a estrada passa por dez estados brasileiros, ao longo dos quais recebe várias denominações: Via-Serrana, Régis Bittencourt, Presidente Dutra, Rio-Teresópolis, Rio-Bahia e Santos Dumont. Um dos trajetos famosos da rodovia é a Rota Romântica, entre Porto Alegre e Nova Petrópolis, no Rio Grande do Sul. A BR-116 começa em Fortaleza (CE) e Termina em Jaguarão (RS).

  1. BR-101

O trecho mais famoso da BR-101 é a estrada Rio-Santos, imortalizada por Roberto Carlos na música “As Curvas da Estrada de Santos”. Não à toa, a rodovia é conhecida como o caminho mais bonito para percorrer longitudinalmente todo o litoral brasileiro. Com 4.482 km de extensão, começa na cidade de Touros (RN) e termina em Rio Grande (RS).

  1. BR-364

Antes da construção desta rodovia, só se chegava a Porto Velho, capital de Rondônia, de balsa ou de avião. A BR-364 começou a ser construída no início da década de 60 após uma negociação entre governadores dos estados do Norte e o presidente Juscelino Kubitschek, para ligar Cuiabá a Porto Velho e Rio Branco. O final de seus 4.309 km de extensão consiste no ponto mais ocidental do Brasil, na fronteira com o Peru. É o município mais distante em linha reta de Brasília. Começa em Limeira (SP) e termina em Mâncio Lima (AC).

  1. BR-230

BR-230 é a rodovia transversal conhecida como Transamazônica, inaugurada em 1972 sob o governo de Emílio Garrastazu Médici, durante o Regime Militar. O projeto previa que esta seria a maior rodovia do país, chegando ao município de Benjamin Constant (AC), trecho que não chegou a ser efetivamente construído. Possui 4.309 km, levando Cabedelo (PB) a Lábrea (AM). Por não possuir pavimentação em metade de sua extensão, é comum casos de atolamentos nos períodos de chuva.

  1. BR-163

Trata-se de uma rodovia longitudinal, que integra o Sul do país às regiões Centro-Oeste e Norte. Em seus 4.057 km de extensão, passa por seis estados produtores de soja. No Pará, a rodovia encontra uma das regiões mais ricas do país, marcada pela presença de importantes biomas, como a Floresta Amazônica e o Cerrado, bem como as áreas de transição entre eles. A BR-163 possui grande relevância para escoamento da produção do Norte e Centro-Oeste. No Mato Grosso, principal produtor nacional de grãos, representa a principal rota de distribuição da safra. Começa em Tenente Portela (RS) e termina em Santarém (PA).

  1. BR-153

Bastante conhecida pelo nome de Transbrasiliana, esta rodovia passa pelos estados do Pará, Tocantins, Goiás, Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, totalizando 3.542 km de extensão. Trata-se da principal ligação entre o Meio-Norte do Brasil e o Centro-Sul, o que a torna um importante canal de escoamento da produção, além de principal rota para algumas regiões turísticas, como Caldas Novas (GO), Rio Araguaia, Jalapão (TO) e Chapada das Mesas (MA). Começa em Marabá (PA) e termina em Aceguá (RS).

  1. BR-158

A BR-158 é uma das poucas rodovias longitudinais brasileiras que não cruza nenhuma capital. Seu final está localizado no município de Santana do Livramento (RS), onde emenda com a Ruta 5, estrada uruguaia que leva a Montevidéu. A rodovia se inicia em Redenção (PA) e segue por 3.470 km, representando uma das principais rodovias do interior do Brasil.

  1. BR-174

Também conhecida como Manaus-Boa Vista, a BR-174 interliga longitudinalmente os estados do Mato Grosso, Rondônia, Amazonas e Roraima, em um percurso de 2.888 km. Esta é a única ligação terrestre entre Brasil e Venezuela, além de representar também a única ligação entre Roraima e o restante do Brasil. Entre Roraima e Amazonas, há um trecho da rodovia que passa pela reserva indígena Waimiri-Atroarí. O percurso tem 47 km e fica fechado entre 18h e 6h.

  1. BR-135

A BR-135 tem seu início em São Luís (MA) e segue um percurso longitudinal até Belo Horizonte (MG), passando pelos estados do Piauí e Bahia em 2.929 km de extensão. A rodovia dá acesso ao Parque Nacional Cavernas do Peruaçu, em Minas Gerais, que abriga sítios arqueológicos milenares, cavernas de beleza impressionante e artes rupestres pré-históricas.

  1. BR-262

Essa é a rodovia transversal que interliga os estados do Espírito Santo, Minas Gerais, São Paulo e Mato Grosso do Sul. Seu início é em Vitória (ES), e o final é no município de Corumbá (MS), cidade turística que possui atrativos como passeios a cavalo, trilhas históricas e visitas ao Pantanal. Ao total, tem uma extensão de 2.191 km.

Leia Mais

Já ouviu falar em BIM? Saiba como esse modelo auxilia a implantação de um novo empreendimento

O Building Information Modeling (BIM) ou Modelo de Construção da Informação, em português, representa um novo conceito para projetos de construção nas áreas de edifícios, infraestrutura, indústria e serviços. A implementação da metodologia BIM permite que os dados envolvidos no gerenciamento ou na elaboração de um projeto sejam organizados de maneira ordenada, de forma que a representação do produto final seja muito mais fiel à realidade. Entenda como funciona essa metodologia e como a Dynatest atua para sua implementação no Brasil.

Por meio do conceito BIM, a modelagem de um empreendimento é realizada utilizando peças ou blocos em 3D que incorporam diversas disciplinas, em um modelo de construção virtual que permite o acompanhamento geral do processo executivo da obra, além de facilitar a mitigação de riscos e a redução de custos das obras. É como substituir, metaforicamente, o uso de mapas por maquetes mais completas e complexas.

A implementação dessa metodologia no Brasil é apoiada pelo Governo Federal, que, por meio do decreto nº 9.377, de 17 de maio de 2018, instituiu a Estratégia Nacional de Disseminação do BIM – BIM BR. Essa medida tem como finalidade oferecer diretrizes e promover um ambiente propício ao investimento em BIM no país.

A Dynatest participou recentemente de um workshop realizado pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) para a disseminação das ações aplicadas pelo Governo Federal para implementação do BIM. Neste evento, ocorrido em Recife (PE), na Superintendência Regional do DNIT, foi instituído o Comitê Gestor da Estratégia BIM BR – CG-BIM, para implementar a Estratégia BIM-BR e gerenciar suas ações.

O DNIT, por meio da Diretoria de Planejamento e Pesquisa (DPP), está à frente da elaboração de um planejamento estratégico para a contratação de serviços que adotem o modelo BIM. Essa iniciativa visa a abrigar nesse método todo o processo de elaboração, construção, gerenciamento e manutenção dos empreendimentos rodoviários.

Como a Dynatest atua nesse processo?

Em parceria com a Coordenação de Planejamento e Programação de Investimentos (CGPLAN) e o setor de Geotecnologias Aplicadas, a equipe de caracterização topográfica da Dynatest estuda a estruturação e a construção de uma metodologia operacional para implantação do BIM durante as fases iniciais de um empreendimento rodoviário.

Na imagem abaixo é possível visualizar as fases de planejamento do BIM em estudos e projetos de empreendimentos rodoviários desenvolvidos pela Dynatest. A estratégia foi desenvolvida em consonância com o pensamento da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC).

Durante o workshop do DNIT, Anderson Alvarenga, da DPP, Raphael Borges, do setor de geotecnologias aplicadas da CGPLAN, e Rodrigo Paranhos, da Dynatest, introduziram os conceitos básicos do BIM aplicados à infraestrutura de transportes rodoviária, apresentando resultados em disciplinas de geometria, terraplenagem e obras de arte especiais (OAE).

Na imagem acima é possível visualizar os níveis de detalhamento (Level of Detail – LOD) de um modelo BIM de infraestrutura de transportes. Os primeiros estudos da Dynatest a respeito do tema foram baseados na análise das documentações digitais de Estudos de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (EVTEAs), para construção de um modelo virtual inteligente, capaz de construir as intervenções propostas em estudo e evoluir em associação com os diversos módulos da infraestrutura de transportes nacional.

Veja abaixo algumas imagens que representam a prática de um modelo BIM, desenvolvido para a análise EVTEA da BR-080-251/GO/DF.

INTEGRAÇÃO BIM + GIS

(Compatibilização de dados geoespaciais e documentação Computer Aided Design – CAD)

O modelo compatibiliza o modelo digital do terreno com 30 metros de resolução e os alinhamentos horizontais da BR-080/GO. Podem ser observados o segmento federal existente e a alternativa de implantação aprovada.

CORREDOR RODOVIÁRIO

Criação do corredor rodoviário a partir do desenvolvimento e integração dos seguintes elementos: alinhamento horizontal, perfil de projeto e seção tipo. O corredor é formado para a definição da superfície de terraplenagem e para a extração de quantitativos de volume de massa.

MODELO BIM NO INFRAWORKS

Depois da conclusão da evolução do estudo de EVTEA, pode ser realizada a compatibilização do projeto com o ambiente BIM do software Infraworks, da Autodesk, para a visualização em um ambiente tridimensional.

Leia Mais