Brasil, um país de rodovias

Brasil, um país de rodovias

O Brasil é conhecido por ser um país de investimentos contínuos no transporte rodoviário, sendo o principal modal utilizado para transportar cargas por toda a sua extensão territorial.

Atualmente, mais de 62% de todo o sistema de transporte brasileiro é rodoviário, e 58% das cargas que são transportadas utilizam o meio rodoviário, ou seja, o setor rodoviário brasileiro é especialmente importante pela grande participação que detém no transporte de cargas.

História das rodovias

O rodoviarismo no Brasil é uma aposta desde o início do século XX. Ainda em meados dos anos 1920, o então governador do Estado de São Paulo, Washington Luis, fez a seguinte afirmação: “Governar é fazer estradas”. Foi ele o responsável por projetar e modernizar estradas no interior do estado e para o litoral, em direção ao Porto de Santos.

Mas foi durante o governo de Juscelino Kubitschek (1956-1961) que o rodoviarismo foi implementado de maneira incondicional. A intenção do então presidente da república era, com a implementação da capital em Brasília, integrar o país de norte a sul por meio das rodovias.

A partir daí, o investimento em rodovias por todo o território nacional só cresceu. De 8.675 km em 1960, a malha rodoviária federal pavimentada cresceu para 47.487 km em 1980.

Grandes obras

O Rodoanel Metropolitano de São Paulo, chamado de Mário Covas, é uma das obras rodoviárias mais relevantes da América Latina, e um exemplo da importância das rodovias bem planejadas e executadas para o fluxo das estradas no país.

A obra, que é resultado de um Termo de Compromisso entre a união e o estado de São Paulo e o Consórcio Dynatest / Pacs, se destaca não só pela construção de alta complexidade, mas principalmente pelo impacto positivo na logística que beneficia a sociedade.

Leia Mais

Conheça o Heavy Vehicle Simulator, equipamento de avaliação do desempenho de pavimentos

Uma vez que um projeto rodoviário é concluído, o próximo passo é avaliar o desempenho do pavimento. No entanto, esta verificação pode levar até dez anos de espera, a paritir dos resultados de atuação do tráfego sobre a rodovia.

Porém, com a utilização de um “simulador de tráfego”, é possível reproduzir, num curto espaço de tempo, o tráfego previsto para os diversos trechos da rodovia. Esta é a principal função do Heavy Vehicle Simulator (HVS).

Esse tipo de técnica, com ensaios acelerados por simuladores de tráfego, vem sendo amplamente utilizada nas rodovias brasileiras, principalmente pela Dynatest. Ela funciona como ferramenta de apoio na tomada de decisões, não só em relação à conservação do pavimento, como também no teste de novos materiais.

A tecnologia do Heavy Vehicle Simulator é um utilizada para a aplicação das cargas associadas à ação do tráfego de forma acelerada. É capaz de simular 20 anos de deterioração nas rodovias em até três meses, além de possibilitar o entendimento dos mecanismos da deterioração causada pelo tráfego e, em até certo grau, por fatores ambientais.

O equipamento é operado hidraulicamente e os carregamentos podem ser aplicados em eixos com rodas simples ou duplas, que são movimentados para frente e para trás em um espaço de seis metros de comprimento do pavimento (em uma trilha com largura de 1,5m, dependendo do eixo utilizado). As sessões de teste podem ser trafegadas em duas direções, para maximizar a produtividade, ou em apenas uma direção, quando apropriado.

Influências ambientais, como variação de temperatura e umidade na estrutura do pavimento, podem ser simuladas através de um conjunto de acessórios especiais que incluem uma câmara de controle. Esta possibilidade permite aos pesquisadores interpretarem informações do Heavy Vehicle Simulator relativas ao desempenho dos pavimentos sobre o tráfego e condições ambientais reais.

Leia Mais

Como a engenharia consultiva pode beneficiar usuários de rodovias

A engenharia consultiva está presente em todas as fases de desenvolvimento, implantação e manutenções de obras rodoviárias. Ao contratar os serviços de uma empresa de consultoria para projetos rodoviários, os maiores beneficiados serão os cidadãos. Mas você sabe, afinal, como a engenharia consultiva pode beneficiar os usuários de rodovias?

Investir em uma boa infraestrutura de transportes é essencial para o desenvolvimento econômico de um país, uma vez que aproxima as distâncias entre regiões e fornece o acesso a bens e serviços pela população. No Brasil, um dos países com maior extensão territorial do mundo, o transporte rodoviário é o modal mais utilizado. Para aproximar os produtores e consumidores, o setor de transportes necessita de projetos estruturados, capazes de impulsionar o crescimento econômico e social do país.

E é aqui que entra a engenharia consultiva: um empreendimento civil, principalmente rodoviário, necessita de profissionais aptos a analisarem o panorama da obra. Os engenheiros consultivos devem garantir o cumprimento de prazos, o orçamento estabelecido e seguir normas técnicas e ambientais para assegurar o bom funcionamento da via. Além disso, a equipe tem a função de realizar estudos técnicos, ambientais e econômicos para a elaboração do projeto final da obra.

Um exemplo de pesquisa são os Estudos de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (EVTEA), que reúnem informações obtidas em pesquisas de campo, coleta de dados e avaliações para um futuro projeto, além do diagnóstico de problemas e definição das melhores soluções para o contratante e os usuários. Veja abaixo os benefícios que os cidadãos podem obter do desenvolvimento, implantação e gestão corretas dos empreendimentos rodoviários:

Estruturação do projeto. A construção de estradas a partir de um planejamento estruturado, levando em consideração detalhes técnicos, sociais e ambientais, proporciona qualidade à obra, evitando quaisquer problemas durante a execução, como aditivos financeiros, atrasos ou acidentes. Além disso, pode proporcionar crescimento econômico e/ou mudanças na rotina da população no entorno do empreendimento.

Melhor execução e fiscalização da obra. O projeto da obra funciona como um guia de execução, indicando as etapas do serviço a ser realizado, prazos, prestadores envolvidos, compra de materiais etc. Os detalhes fazem com que a execução seja a mais assertiva possível, já que envolve as construturas, escritórios de engenharia, coordenadores e gestores responsáveis pela segurança dos profissionais envolvidos e do meio ambiente. E na hora da fiscalização, os profissionais representantes do órgão contratante realizam vistorias periódicas para acompanhar a qualidade dos trabalhos e materiais utilizados, assim como o monitoramento de normas ambientais previstas, benefício de usufruto de toda a sociedade.

Leia Mais

Manual para cair na estrada no fim do ano

O merecido descanso de fim de ano está chegando, época em que a família e os amigos se reúnem para viagens de Natal e Ano Novo. No entanto, sabemos que esse período é conturbado, com muito trânsito e maior risco de acidentes nas rodovias. Por isso, trouxemos dez dicas para curtir o caminho sem preocupações. Veja abaixo nosso manual para cair na estrada no fim do ano:

 Revisão no carro

A primeira dica é fundamental: faça uma revisão completa no carro antes de viajar. Confira os pneus, óleo, água e detalhes que fazem a diferença durante horas de viagem. Segurança vem em primeiro lugar!

Manter a documentação em dia

Cheque se a documentação do carro está em dia e se sua carteira de motorista está no prazo de validade. Além disso, não se esqueça dos documentos das crianças e animais de estimação.

Evitar horários de pico

Pegar a estrada após às 18h em uma sexta-feira pré-feriado pode ser uma grande enrascada, afinal, a maioria dos motoristas fará o mesmo. Opte por horários de tráfego menos intenso para fugir de engarrafamentos.

Prestar atenção na estrada

Preste atenção às placas e sinalizações na estrada e respeite os limites de velocidade mínimo e máximo. A atenção salva vidas!

Pesquisar o caminho antes de sair

Sempre pesquise o caminho que vai seguir no GPS com antecedência, para saber quais/quantos são os radares, tempo de chegada e condições da via – se há atraso devido a obras, engarrafamentos ou outros motivos.

Acomodar crianças e pets

Providencie as cadeirinhas adequadas às crianças, de acordo com sua faixa etária, e use sempre o cinto de segurança. E, se o animal de estimação for junto, lembre-se dos equipamentos necessários, como cinto, cadeiras ou caixas de transporte.

Revezar a direção

Se a viagem for longa, é importante revezar a direção com outro motorista para seguir viagem com atenção plena. Se for viajar sozinho, deixe as janelas abertas e coloque uma música animada para não pegar no sono.

Dormir bem

Esta dica é fundamental para uma viagem sem transtornos. Tenha uma boa noite de sono para estar descansado(a) e manter atenção total na estrada.

Levar lanchinhos e água

Viajar no fim do ano traz alguns desafios como tráfego intenso e horas de trânsito lento, portanto, nem sempre é possível fazer uma parada para comer alguma coisa. Para se prevenir, prepare alguns lanchinhos e água para os momentos de espera na rodovia.

Dirigir com cuidado

O último item do manual, mas não menos importante. Evite fazer ultrapassagens arriscadas e respeite os passageiros e demais usuários da via para manter a segurança. Cuidado nunca é demais!

Leia Mais

6 medidas de segurança na estrada em épocas de chuva

Chegamos à reta final do ano, época de tráfego intenso nas rodovias, já que as pessoas aproveitam o recesso entre Natal e Ano Novo para cair na estrada. No entanto, a estação mais quente do ano é marcada pelas chuvas, muitas vezes intensas, o que necessita cuidado extra dos motoristas.

Você sabe quais medidas de segurança na estrada pode tomar em épocas de chuva para garantir uma viagem tranquila? Veja abaixo 6 dicas para aproveitar a viagem sem preocupações:

Atenção redobrada

Manter a atenção total no trânsito é uma medida que vale para qualquer momento na via, porém, ela deve ser redobrada em situações de chuvas torrenciais ou tempestades, comuns durante o verão. Evite usar o celular, comer ou qualquer atividade que possa tirar a atenção completa do trânsito. Mantenha as duas mãos no volante o tempo todo e evite fazer ultrapassagens, uma vez que a pista molhada pode torná-las arriscadas.

Visibilidade

A visibilidade fica prejudicada durante chuvas fortes. Atente-se ao uso dos limpadores de para-brisa e desembaçadores. Além disso, mantenha o farol baixo nas rodovias, segundo lei do Código Brasileiro de Trânsito, uma vez que o farol alto pode prejudicar a visão dos demais motoristas da via.

Desacelere

A pressa pode ser inimiga de um trânsito seguro, por isso, respeite o limite de velocidade indicado nas placas, ou siga a recomendação de dirigir a 60km/h para evitar acidentes. Mantenha-se alerta ao trânsito e evite frear bruscamente, especialmente com a via molhada.

Distância segura

Um ponto muito importante para garantir a segurança na estrada durante chuvas fortes ou tempestades é manter uma distância segura entre um veículo e outro. Segundo o Código de Trânsito Brasileiro, para calcular a distância de segurança é preciso levar em conta o tempo médio de reação do condutor até o momento de pisar no freio, que é cerca de 1 segundo. Para carros a 60km/h, isso equivale a 18 metros antes de conseguir frear de fato. Além disso, é preciso calcular a distância de frenagem: a 60km/h, são 20 metros, em média. Ou seja, para essa velocidade, você deve manter uma distância de 38 metros do carro da frente para frear de forma segura, em caso de emergências.

Cuidado com a aquaplanagem

Ao sentir o carro deslizando sobre a água, o primeiro impulso é pisar o pé no freio. No entanto, muitas vezes isso pode fazer as rodas do carro travarem e ele patinar ainda mais. O mais indicado é tirar o pé do acelerador e mover levemente a direção, para que os pneus recuperem o contato com o asfalto.

Durante tempestades, espere

Por último, o mais seguro a se fazer durante uma forte tempestade é procurar um local seguro para parar o carro e aguardar. Sobretudo, evite ficar no acostamento, já que isso pode confundir outros carros e causar acidentes.

Agora que você já sabe o que fazer caso enfrente chuvas na estrada, aproveite a viagem com segurança!

Leia Mais

O que são rodovias inteligentes?

Desde a revolução digital, a tecnologia vem quebrando barreiras e construindo pontes no cotidiano da sociedade. Recursos e dispositivos vêm para nos ajudar a ter uma vida mais prática, ágil e segura. Com empresas como a Uber, fomos apresentados a um novo tipo de transporte urbano. Com a Tesla, carros podem ser abastecidos com energia elétrica, economizando recursos naturais e finitos como o petróleo.

Agora, a infraestrutura de transporte rodoviário mundial também está se transformando com o desenvolvimento de rodovias inteligentes. Segundo estudo da Universidade de São Paulo (USP), os chamados Sistemas Inteligentes de Transporte são tecnologias de informação e comunicação aplicadas em sistemas de transporte a fim de melhorar a mobilidade e segurança de pessoas e cargas.

É um conceito discutido desde os anos 80, chamados de Intelligent Vehicle/Highway Systems na época, e envolvia sistemas de baixa complexibilidade, como equipamentos de detecção e comunicação direta com usuários, como câmeras e painéis eletrônicos ao longo de rodovias.

Atualmente, esses recursos são combinações de computadores, controles, sensores, detectores e outros equipamentos para garantir maior quantidade e qualidade de informação sobre as condições de tráfego e permitir melhores tomadas de decisões pelos usuários ou por sistemas inteligentes de tomada de decisão presentes nos veículos, ao mesmo passo em que reduzem os danos ambientais.

Vantagens

O intuito é que as rodovias inteligentes funcionem como uma grande rede digital, com funções e inteligência avançadas para proporcionar serviços inovadores na gestão do tráfego rodoviário. Passageiros da via serão mais bem informados para que a tomada de decisão seja mais segura, coordenada e inteligente.

E junto das estradas inteligentes, o Institute of Electrical and Electronics Engineers (IEEE), organização internacional dedicada ao avanço da tecnologia, colocam o veículo autônomo como a forma mais promissora de transporte para o futuro. Eles estimam que em 2040 mais de 75% dos veículos nas vias do mundo deverão se autodirigir, segundo a pesquisa.

Como funciona?

Foto: Integrated Roadways

Segundo a Integrated Roadways, startup estadunidense, as rodovias inteligentes serão construídas a partir de pavimentos incorporados de tecnologia digital e rede de fibra ótica, capazes de conectar os usuários da via à rede de Internet Wi-Fi, fornecendo informações em tempo real sobre o tráfego, acidentes e condições da estrada.

Será possível, inclusive, rastrear veículos em tempo real e acionar ambulâncias, pois os sensores do pavimento funcionam da mesma forma que telas sensíveis de smartphones, sendo capazes de sentir posições, peso e velocidade dos veículos nas rodovias, segundo o presidente da empresa, Tim Sylvester.

Fonte: Futuro Exponencial

Leia Mais

Concessionárias de rodovias de SP investem em medidas de preservação ambiental

Uma preocupação constante em projetos rodoviários tem se ampliado em relação à segurança ambiental, além da segurança física de passageiros e profissionais na via. Tomar precauções ecológicas e buscar soluções sustentáveis vem sendo cada vez mais indispensável à engenharia consultiva.

O cuidado com o meio ambiente é uma das prioridades de concessionárias de rodovias e agências reguladoras do Estado de São Paulo. Diversas ações ecológicas são implantadas diariamente por concessionárias que fazem parte do Programa de Concessão de Rodovias do Estado de São Paulo e da Artesp (Agência de Transporte do Estado de São Paulo).

Os editais de concessão precisam incluir procedimentos que assegurem a viabilidade do projeto em termos ambientais, seguindo a legislação vigente na implantação de obras e na operação das rodovias. É de responsabilidade das concessionárias arcar com a execução e custos dos estudos de impacto ambiental necessários para licenciar novos projetos.

Dentre as exigências, estão a implantação de sistemas de captação para líquidos perigosos derramados nas pistas, estações de tratamento para águas provenientes das obras e caixas separadoras de óleos e graxas. Outra medida que integra a lista de necessidades é a regeneração de árvores da faixa de domínio e a realização de programas com foco em educação ambiental.

Além das medidas citadas acima, existem treinamentos e exercícios em andamento para atender acidentes com carga perigosa nas rodovias sob concessão. As empresas envolvidas nos projetos também devem apresentar planos táticos e operacionais para emergências (incêndios, neblina, acidentes com produtos perigosos, desabamentos e inundações, entre outras).

Risco de acidente envolvendo animais

Outro ponto importante e de responsabilidade das concessionárias é a prevenção de acidentes causados por animais na pista. As concessionárias e agências reguladoras devem promover ações de monitoramento das pistas através de câmeras, além da construção de passagens de faunas, que são túneis construídos por baixo das pistas, para que animais possam atravessar as estradas sem o risco de serem atropelados.

Em caso de o acidente ser provocado por animais domésticos, a responsabilidade é do proprietário. Segundo o Código Civil Brasileiro, o artigo 936 define que “em eventuais acidentes causados pelos animais, o dono, ou detentor, ressarcirá o dano por este causado, se não provar culpa da vítima ou forças maiores”. 

As medidas de segurança também englobam programas de conscientização de moradores de regiões próximas às rodovias, para que mantenham animais longe das pistas. No Estado de São Paulo, há o mapeamento dos animais existentes em propriedades ao entorno das vias e visitas constantes a esses locais, com orientações sobre os riscos de acidentes, a necessidade de manutenção e conserto de cercas e alambrados das casas.

Fonte: Agência de Transporte do Estado de São Paulo (ARTESP)

Leia Mais

Semana Nacional de Trânsito (18 a 25/09): prevenção à vida no trânsito

No Brasil, a cada uma hora, cinco pessoas morrem em acidentes de trânsito, segundo o Conselho Federal de Medicina. Nos últimos dez anos, foram 1.636.878 vítimas graves no País, sendo que 60% delas envolveram pessoas entre 15 e 39 anos. Os dados são alarmantes, uma vez que 90% dos acidentes ocorrem por falha humana, incluindo a desatenção dos condutores e o desrespeito às leis de trânsito, segundo o Observatório Nacional de Segurança Viária (ONSV).

A fim de envolver a sociedade em ações de prevenção e controle de acidentes, o Conselho Nacional de Trânsito (Contran) vem investindo em campanhas de conscientização entre maio de 2019 e abril de 2020, com o lema “No trânsito, o sentido é a vida”. Neste mês, de 18 a 25 de setembro, a iniciativa se fortifica ainda mais com a Campanha da Semana Nacional de Trânsito.

Neste período, órgãos e entidades que integram o Sistema Nacional de Trânsito promovem eventos e ações educativas com uma única finalidade: conscientizar os cidadãos para que contribuam com as iniciativas de segurança e valorização da vida propostas pela legislação de trânsito.

De outubro a dezembro, segundo o Portal do Trânsito, o foco será nos ciclistas, abordando temas como:

  • Outubro: Bicicletas como meio de locomoção, o que saber para se proteger e proteger o ciclista;
  • Novembro: Campanha de conscientização de preservação da vida no trânsito pelo Dia Mundial em Memória às Vítimas do Trânsito;
  • Dezembro: Bicicleta nas férias escolares e o seu convívio no trânsito.

De janeiro a abril de 2020, os temas estarão relacionados a motociclistas:

  • Janeiro: Respeite o motociclista, respeite a vida;
  • Fevereiro: Valorização da Lei Seca e a sua importância na redução de acidentes;
  • Março: Capacete é vida;
  • Abril: Campanha de educação sobre utilização do celular quando estamos em movimento, nos papéis de pedestre/ciclista/condutor.

Como uma empresa de engenharia consultiva, diversos serviços prestados pela Dynatest são voltados à infraestrutura rodoviária, nos quais a segurança é prioridade para passageiros, pedestres e condutores. Por isso, apoiamos a iniciativa e buscamos cada vez mais aprimorar estudos e projetos rodoviários pela preservação da vida.

Leia Mais

Conheça as 10 maiores rodovias do Brasil e suas peculiaridades

A malha rodoviária brasileira é a quarta maior do planeta – ficando atrás apenas dos Estados Unidos, Índia e China. Não é por acaso que as estradas são responsáveis pela movimentação de mais de 60% das mercadorias e de mais de 90% dos passageiros, de acordo com o Anuário CNT do Transporte 2018, produzido pela Confederação Nacional do Transporte (CNT).

No post de hoje, saiba quais são as dez maiores rodovias nacionais e conheça algumas curiosidades sobre cada uma delas:

  1. BR-116

É a maior rodovia totalmente pavimentada do Brasil e corta o país de Norte a Sul. Com 4.660 km, a estrada passa por dez estados brasileiros, ao longo dos quais recebe várias denominações: Via-Serrana, Régis Bittencourt, Presidente Dutra, Rio-Teresópolis, Rio-Bahia e Santos Dumont. Um dos trajetos famosos da rodovia é a Rota Romântica, entre Porto Alegre e Nova Petrópolis, no Rio Grande do Sul. A BR-116 começa em Fortaleza (CE) e Termina em Jaguarão (RS).

  1. BR-101

O trecho mais famoso da BR-101 é a estrada Rio-Santos, imortalizada por Roberto Carlos na música “As Curvas da Estrada de Santos”. Não à toa, a rodovia é conhecida como o caminho mais bonito para percorrer longitudinalmente todo o litoral brasileiro. Com 4.482 km de extensão, começa na cidade de Touros (RN) e termina em Rio Grande (RS).

  1. BR-364

Antes da construção desta rodovia, só se chegava a Porto Velho, capital de Rondônia, de balsa ou de avião. A BR-364 começou a ser construída no início da década de 60 após uma negociação entre governadores dos estados do Norte e o presidente Juscelino Kubitschek, para ligar Cuiabá a Porto Velho e Rio Branco. O final de seus 4.309 km de extensão consiste no ponto mais ocidental do Brasil, na fronteira com o Peru. É o município mais distante em linha reta de Brasília. Começa em Limeira (SP) e termina em Mâncio Lima (AC).

  1. BR-230

BR-230 é a rodovia transversal conhecida como Transamazônica, inaugurada em 1972 sob o governo de Emílio Garrastazu Médici, durante o Regime Militar. O projeto previa que esta seria a maior rodovia do país, chegando ao município de Benjamin Constant (AC), trecho que não chegou a ser efetivamente construído. Possui 4.309 km, levando Cabedelo (PB) a Lábrea (AM). Por não possuir pavimentação em metade de sua extensão, é comum casos de atolamentos nos períodos de chuva.

  1. BR-163

Trata-se de uma rodovia longitudinal, que integra o Sul do país às regiões Centro-Oeste e Norte. Em seus 4.057 km de extensão, passa por seis estados produtores de soja. No Pará, a rodovia encontra uma das regiões mais ricas do país, marcada pela presença de importantes biomas, como a Floresta Amazônica e o Cerrado, bem como as áreas de transição entre eles. A BR-163 possui grande relevância para escoamento da produção do Norte e Centro-Oeste. No Mato Grosso, principal produtor nacional de grãos, representa a principal rota de distribuição da safra. Começa em Tenente Portela (RS) e termina em Santarém (PA).

  1. BR-153

Bastante conhecida pelo nome de Transbrasiliana, esta rodovia passa pelos estados do Pará, Tocantins, Goiás, Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, totalizando 3.542 km de extensão. Trata-se da principal ligação entre o Meio-Norte do Brasil e o Centro-Sul, o que a torna um importante canal de escoamento da produção, além de principal rota para algumas regiões turísticas, como Caldas Novas (GO), Rio Araguaia, Jalapão (TO) e Chapada das Mesas (MA). Começa em Marabá (PA) e termina em Aceguá (RS).

  1. BR-158

A BR-158 é uma das poucas rodovias longitudinais brasileiras que não cruza nenhuma capital. Seu final está localizado no município de Santana do Livramento (RS), onde emenda com a Ruta 5, estrada uruguaia que leva a Montevidéu. A rodovia se inicia em Redenção (PA) e segue por 3.470 km, representando uma das principais rodovias do interior do Brasil.

  1. BR-174

Também conhecida como Manaus-Boa Vista, a BR-174 interliga longitudinalmente os estados do Mato Grosso, Rondônia, Amazonas e Roraima, em um percurso de 2.888 km. Esta é a única ligação terrestre entre Brasil e Venezuela, além de representar também a única ligação entre Roraima e o restante do Brasil. Entre Roraima e Amazonas, há um trecho da rodovia que passa pela reserva indígena Waimiri-Atroarí. O percurso tem 47 km e fica fechado entre 18h e 6h.

  1. BR-135

A BR-135 tem seu início em São Luís (MA) e segue um percurso longitudinal até Belo Horizonte (MG), passando pelos estados do Piauí e Bahia em 2.929 km de extensão. A rodovia dá acesso ao Parque Nacional Cavernas do Peruaçu, em Minas Gerais, que abriga sítios arqueológicos milenares, cavernas de beleza impressionante e artes rupestres pré-históricas.

  1. BR-262

Essa é a rodovia transversal que interliga os estados do Espírito Santo, Minas Gerais, São Paulo e Mato Grosso do Sul. Seu início é em Vitória (ES), e o final é no município de Corumbá (MS), cidade turística que possui atrativos como passeios a cavalo, trilhas históricas e visitas ao Pantanal. Ao total, tem uma extensão de 2.191 km.

Leia Mais